Reciclagem de Refrigeradores no Brasil

Descrição sucinta do projeto

Título: Proklima/Projeto de Manufatura Reversa
Comissionado por: Ministério Federal do Meio Ambiente, Proteção da Natureza e Segurança Nuclear (BMU)
País: Brasil
Parceiro político: Ministério de Meio Ambiente Brasileiro (MMA)
Duração: 2008 até 2018

Contexto

Mais de 90% das residências brasileiras possuem refrigeradores que, em sua maioria, são antigos e com alto consumo de energia. O Brasil está buscando substituir esses refrigeradores, os quais contêm clorofluorcarbonos (CFCs), por aparelhos mais novos e energeticamente mais eficientes. O objetivo é recuperar os CFCs contidos nas geladeiras e freezers antigos de uma maneira ambientalmente correta. Os fornecedores de energia brasileiros são, no momento, a força atuante no processo de substituição dos equipamentos refrigeradores, pois são obrigados a investir 0,5% de seus lucros anuais em projetos sociais ou ambientais.

Alguns desses investimentos serão utilizados para a troca de refrigeradores antigos por novos e energicamente eficientes sem custo algum para o consumidor final. Até agora, aproximadamente 50 mil casas de famílias de baixa renda, localizadas em favelas, receberam um novo refrigerador. É estimado que cerca de 50 milhões de aparelhos antigos, contendo líquidos refrigerantes fluorados, como geladeiras, freezers e unidades comerciais serão recolhidos e reciclados nos próximos 10 anos.

No momento, não existe um sistema efetivo de reciclagem de refrigeradores. Os CFCs contidos em circuitos de resfriamento de aparelhos de refrigeração (25%) e espuma isolante (75%) têm um alto teor de aquecimento global, sendo cerca de 10.900 (CFC-12) e 4.750 (CFC-11), respectivamente. Um sistema de reciclagem ambientalmente adequado, seguido pela destruição de fluidos refrigerantes não recicláveis é urgentemente necessário a fim de prevenir emissões de gases de efeito estufa.

Objetivo

O Brasil estabeleceu um sistema de logística reversa e reciclagem para aparelhos antigos de refrigeração. Mais de 50 milhões de aparelhos antigos e fluidos refrigerantes não recicláveis serão recuperados e reciclados nos próximos 10 anos.

Abordagem

O projeto está configurando um modelo de sistema de reciclagem para antigos aparelhos refrigeradores no Brasil. Para esse fim, tem fornecido aos parceiros do projeto plantas piloto onde gases de efeito estufa contidos nos circuitos de refrigeração e na espuma isolante podem ser recuperados e destruídos. A empresa brasileira operante Revert Brasil Soluções Ambientais Ltda está sendo treinada para operar e manter as plantas. Além disso, o projeto ajudará o governo brasileiro a introduzir padrões técnicos e regulamentos apropriados nessa temática. Esses processos visam garantir que as plantas pilotos e plantas que serão inicializadas mantenham a qualidade na sua execução e cumpram as normas ambientais.

O projeto também auxiliará o governo brasileiro na criação de um sistema modelo de logística reversa para aparelhos de refrigeração doméstica e na implementação de regulamentos e normas em cooperação com stakeholders.

Resultados

O projeto produziu os seguintes resultados até setembro de 2018.

  • Uma planta de reciclagem com a capacidade anual de produzir 350 mil aparelhos refrigeradores foi instalada, permitindo que emissões de até um CO2 equivalente (unidade de medida que mede o potencial de aquecimento global de um gás) sejam evitadas no futuro.
  • Os componentes dos aparelhos de refrigeração, separados durante o processo de reciclagem, como metais e plásticos, estão sendo reutilizados por indústrias locais.
  • A logística reversa e reciclagem dos aparelhos de refrigeração – como parte de planos de troca operados por fornecedores de eletricidade, por exemplo – são uma proposição econômica atrativa.
  • O governo brasileiro adotou a política de resíduos sólidos. Ela estipula a implementação de um sistema de logística reversa de acordo com a Diretiva de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos (REEE). Desde que a lei foi aprovada, um grupo de trabalhadores tem discutido os problemas de coletar REEE. O governo brasileiro está, atualmente, trabalhando para chegar a um acordo quanto às áreas de responsabilidade e formas de administrar um sistema de logística reversa nacional.
  • O envolvimento de catadores de resíduos sólidos é uma alta prioridade política. Representantes de grupos de catadores de resíduos estão participando dos grupos de trabalho do governo que estão lidando com a implementação da nova política de resíduos e sistemas de logística reversa.
  • Padrões e normas do setor estão sendo disseminados.
  • O projeto está enviando um claro sinal para a América Latina e países da América do Sul. Eles têm acompanhado o desenvolvimento com grande interesse nas reuniões sobre o assunto, organizadas pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).